Perfil do Grupo

O Grupo O Valor do Tempo oferece experiências únicas e excecionais num hino a Portugal, mantendo uma curiosidade insaciável através da disruptividade que desafia a lógica convencional.

Consideramos a coragem a verdadeira ignição de qualquer boa ideia e tem sido essa a nossa grande bússola num percurso que leva já mais de duas décadas. Começámos com o Museu do Pão e desde então temos vindo a demonstrar, em cada projeto, que vale a pena ousar pensar diferente, mantendo intactas a nossa identidade e a nossa herança. Orgulhamo-nos de Portugal, admiramos a nossa História enquanto povo e queremos muito contribuir para afirmar o nosso país como uma referência mundial. Isso é possível juntando a coragem à criatividade, e a ousadia à inovação, que historicamente tão bem nos caracterizam.

Origem

Homenagear a História foi, desde sempre, o propósito do Grupo O Valor do Tempo.

Acreditamos que a origem possui uma magia inigualável, não reproduzível por nenhum processo automático, e é a verdadeira geradora de valor; em cada uma das nossas marcas, o recurso à origem – ironicamente tão simples e óbvio – é a grande revelação do nosso sucesso.

A paixão por Portugal materializa-se no valor conferido ao património cultural e gastronómico, convertendo preciosidades históricas portuguesas em experiências icónicas, dignificadas e homenageadas em espaços cuidados, plenos de história e magia – um valor essencial e transversal a todas as marcas insígnia do Grupo O Valor do Tempo.

Autenticidade

As nossas raízes na Serra da Estrela, fizeram de nós aquilo que somos hoje. Acreditamos e defendemos que a natureza daquilo que é real e genuíno é intemporal e transversal e, exatamente por isso, a autenticidade está na base da nossa abordagem à economia e é uma inevitabilidade no nosso modelo de negócio.

Legitimando essa crença, o abastecimento de Queijo da Serra DOP para a Casa Portuguesa do Pastel de Bacalhau, quer seja através dos pastores do rebanho próprio do Grupo ou de forma articulada com pastores independentes da região com queijo certificado, assegura o abastecimento sustentável de um produto estratégico, garantindo a segurança alimentar e a disponibilidade, ao mesmo tempo que destaca e reconhece o importante trabalho de quem está na origem do processo, prestigiando e promovendo a continuidade da pastorícia.

No Grupo O Valor do Tempo, a autenticidade é uma escolha e não uma consequência.

Integração vertical

Preservar os recursos naturais, garantir a continuidade de profissões e métodos ancestrais e promover a origem e a autenticidade são os valores que nos distinguem e consolidam a nossa estratégia de diferenciação e valor acrescentado, só possível com um modelo assente na capacidade de criar e controlar a origem do processo, permitindo-nos apresentar as nossas marcas de forma original. A integração vertical abre espaço para um novo modelo de negócio, num compromisso firme com a sociedade, com a cultura e com a História, revelada ao mundo em 15 marcas espalhadas por 13 cidades do país em mais de 40 espaços.

Um novo modelo de economia social

Inovação não é sempre sobre tecnologia. O nosso respeito pela dimensão humana e uma missão focada em democratizar o acesso à cultura, conjugando-a com a economia em claro benefício mútuo, permite-nos dar primazia às pessoas e à História, dois dos grandes pilares da nossa organização.

Nos anos 70, o mundo iniciou o processo de depleção dos recursos naturais, ultrapassando a capacidade de regeneração dos ecossistemas. Promover o afastamento da economia linear não é apenas uma questão de sustentabilidade ambiental para o Grupo O Valor do Tempo; é também uma questão de sustentabilidade económica e social.

A Comur é disso um claro exemplo. Fundada em 1942, conheceu o auge da Indústria Conserveira Portuguesa durante a II Guerra Mundial e entrou em declínio décadas mais tarde, como centenas de outras fábricas do setor em Portugal, caindo na armadilha da indiferenciação e de uma política de baixo preço. Em 2015, juntando-se ao Grupo O Valor do Tempo, tornou-se uma marca revitalizada, com uma estratégia simples e sem segredos, de valorização das conservas em latas que relatam a história de Portugal e extrapolam os limites do território nacional, tornando economicamente viável uma História cujo fim parecia destinado. Foi assim possível assegurar o trabalho de mais de 100 mulheres de numa pequena comunidade local, a Murtosa, cujas famílias dependiam do seu rendimento.

Foi também este novo modelo de economia social que nos fez regressar às nossas origens, na Serra da Estrela. As ovelhas de raça Bordaleira da Serra da Estrela, a principal raça ovina leiteira em Portugal, produzem um leite de excecional qualidade a partir do qual a sabedoria das gentes serranas criou um queijo inigualável. O atual reduzido número de ovelhas Bordaleiras é uma consequência do abandono da profissão pela falta de apoios, pela inércia do setor e pela subvalorização do potencial produtivo desta raça ovina, quisemos potenciar uma evolução com base na economia circular: Em 2015, a criação do conceito Casa Portuguesa do Pastel de Bacalhau promoveu a incorporação do queijo Serra da Estrela DOP no pastel de bacalhau, absorvendo hoje cerca de 60% de toda a produção do queijo nas suas 11 lojas, permitindo remunerar justamente aqueles que tornam possível assegurar a continuidade de um queijo com 1300 anos de História e com Denominação de Origem Protegida. Em 2021, o Grupo O Valor do Tempo reforçou a sua linha de atuação de apoio aos pastores da Serra da Estrela com a aquisição total da lã do universo de 20.000 ovelhas da raça Bordaleira, valorizando-a de forma que deixasse de ser um encargo, fruto do custo inevitável da tosquia, e passe a ser uma fonte de receita adicional para os pastores, pela valorização da lã. A loja Oficial DOP, no ponto mais alto de Portugal Continental, é um tributo aos pastores e o culminar de um novo modelo de economia social e da sustentabilidade, ao mesmo tempo que contribui para os objetivos de desenvolvimento sustentável da ONU.

O desenvolvimento de um produto ecologicamente eficiente e assente num ciclo perpétuo é garantido através de um processo contínuo de absorção de matéria-prima até aqui pouco explorada, promovendo um modelo económico reorganizado, coordenando os sistemas de produção e consumo, em prol da valorização da economia local e da sustentabilidade.

Marcos históricos

  • 1996

    Início da recolha de espólio sobre o património do Pão Português, através da compra de documentos e objetos em antiquários, alfarrabistas, leilões e doações.
  • 2002

    Inauguração do Museu do Pão, em Seia, na Serra da Estrela, uma das maiores referências da museologia em Portugal e o maior complexo dedicado ao tema em todo o mundo, a 26 de setembro.
  • 2003

    Primeira operação de catering do Museu do Pão, na inauguração do Estádio da Luz, a 25 de outubro.
  • 2007

    A Silva & Feijóo na Rua dos Bacalhoeiros, Lisboa, uma mercearia especializada em produtos tradicionais portugueses fundada em 1919, junta-se ao Grupo O Valor do Tempo, a 12 de novembro.

  • 2012

    O Museu do Pão atinge o marco de um milhão de visitantes a 20 de março, antes de cumprir a primeira década de existência.

     

    Inauguração do Museu da Cerveja, no Terreiro do Paço, em Lisboa, a 10 de junho, um espaço de restauração que apresenta a história da cerveja num roteiro pelas mais de 100 cervejas artesanais portuguesas, com a maior área de esplanada do país.

  • 2014

    A Silva & Feijoo abre uma nova loja na Rua de S. Nicolau, Lisboa, a 4 de maio.

  • 2015

    Inauguração da Casa Portuguesa do Pastel de Bacalhau, na Rua Augusta, em Lisboa, a 4 de maio.


    A Comur – Fábrica de conservas da Murtosa, inaugurada a 7 de novembro de 1942, junta-se ao Grupo O Valor do Tempo a 30 de setembro.

  • 2016

    Inauguração da Fábrica das Enguias, na Rua da Prata, a 15 de março.


    Inauguração da Casa Portuguesa do Pastel de Bacalhau, junto à Torre dos Clérigos, no Porto, a 2 de abril.


    Inauguração d’O Mundo Fantástico da Sardinha Portuguesa, no Rossio, em Lisboa, a 3 de novembro.

  • 2017

    A antiga Casa Oriental, no Porto, junta-se ao Grupo O Valor do Tempo, a 20 de janeiro, com o conceito Comur.


    Inauguração d’O Mundo Fantástico da Sardinha Portuguesa, no aeroporto de Lisboa, a 27 de abril.


    Inauguração da Comur, na Rua da Prata, em Lisboa, a 18 de dezembro.

  • 2018

    Inauguração da primeira loja Comur, no Castelo de S. Jorge, Lisboa, a 19 de abril.

     

    A Confeitaria Peixinho, fundada em 1856, em Aveiro, junta-se ao Grupo O Valor do Tempo, a 22 de fevereiro, renovando o espaço para uma loja-boutique e mantendo a receita original dos Ovos Moles de Aveiro, reabrindo ao público a 8 de agosto.

     

    Inauguração da Comur em Faro a 7 de julho. Em Évora a 4 de agosto. Em Aveiro a 6 de outubro. Em Coimbra a 10 de agosto. Na Rua dos Bacalhoeiros, Lisboa a 15 de outubro. No LX Factory, Lisboa a 27 de novembro.

  • 2019

    A Casa Pereira da Conceição (fundada em 1933) na Rua Augusta, Lisboa, junta-se ao Grupo O Valor do Tempo, a 8 de janeiro, reabrindo ao público a 10 janeiro.

     

    Inauguração da Comur no aeroporto do Porto a 9 de fevereiro. No Chiado, Lisboa, a 26 de março. Em Ponta Delgada a 30 de março. Em Óbidos a 25 de abril. Segunda loja no Castelo de S. Jorge, Lisboa a 11 de maio. No Funchal a 8 de julho.

     

    Inauguração d’ O Mundo Fantástico da Sardinha Portuguesa, nos Lóios, Porto, a 1 de março. Em Cascais a 26 de maio. Em Braga a 25 de agosto. Em Sintra a 23 de novembro.

     

    Inauguração da Casa Portuguesa do Pastel de Bacalhau, no Castelo de S. Jorge, Lisboa a 11 de maio. Em Gaia a 23 de dezembro.

  • 2020

    A Brasileira do Chiado, inaugurada em 1905, um dos mais antigos e o mais icónico café de Lisboa, junta-se ao Grupo O Valor do Tempo a 2 de março.


    Inauguração da Casa Portuguesa do Pastel de Bacalhau, no elevador de Santa Justa, no Chiado, Lisboa, a 13 de julho.


    A Quinta da Lagoa, em Nelas, com um rebanho de 700 ovelhas bordaleiras e produção própria de Queijo Serra da Estrela DOP, junta-se ao Grupo O Valor do Tempo a 16 de setembro.

  • 2021

    Lançamento do projeto de jornalismo digital «A Mensagem de Lisboa», com sede emocional n’A Brasileira do Chiado, a 22 de fevereiro.

     

    Inauguração da Casa Portuguesa do Pastel de Bacalhau, em Cascais e Aveiro, a 5 de abril.

     

    Abertura do Hästens Sleep Spa – CBR Boutique Hotel, em Coimbra, a 25 de maio.

     

    A Joalharia do Carmo, fundada a 14 de janeiro de 1924, em Lisboa, junta-se ao Grupo O Valor do Tempo a 1 de julho, reabrindo o espaço a 2 de agosto.

     

    Inauguração da Casa Portuguesa do Pastel de Bacalhau, no Cais do Sodré, em Lisboa, a 31 de julho.

     

    Inauguração do Figurado de Barcelos – Grupo O Valor do Tempo, em Lisboa, a 19 de agosto.

     

    Inauguração da loja Queijadas Finas de Sintra – Eugénia de Jesus, em Lisboa, a 1 de outubro.

     

    Inauguração da Confeitaria Peixinho, no aeroporto de Lisboa, a 30 de outubro.

  • 2022

    Abertura da Fábrica de Sonhos, Academia de Formação, em Cascais, a 9 de fevereiro.

     

    Inauguração da Casa Portuguesa do Pastel de Bacalhau, no LX Factory, em Lisboa, a 7 de abril.

     

    Inauguração da Casa Portuguesa do Pastel de Bacalhau, nas Portas de Santo Antão, em Lisboa, a 4 de junho.

     

    Inauguração da Casa Portuguesa do Pastel de Bacalhau, na Torre, Serra da Estrela, a 4 de junho.

     

    Inauguração da Comur, nas Portas de Santo Antão, em Lisboa, a 9 de julho.

     

    Inauguração do Mundo Fantástico das Conservas Portuguesas, em Vila Nova de Gaia, a 9 de setembro.